Jamais me lavarás os pés

Se existe um pecado maior do que não amar é o pecado de não se deixar ser amado!

Se existe um gesto mais omisso do que cruzar os braços, esse é o não aceitar um abraço amigo quando mais precisamos. Se há algo mais grave do que não colocar os próprios talentos a serviço, é impedir que alguém os coloque. Mais mortífero do que a incapacidade de amar é a capacidade de esterilizar o amor alheio.

O evangelho de João nos narra uma cena instigante: Jesus inclinado diante de Pedro tentando lavar-lhe os pés e esse, sem compreender o gesto diaconal de serviço do Mestre, resiste impetuosamente exclamando: “Jamais me lavarás os pés”! (Jo 13,8) Jesus, o divino pedagogo, responde ao “cabeçudo” discípulo: “Se assim não fizer, não terás parte comigo”.

A água derramada nos pés de Pedro simbolizou a água que o fez tornar-se parte de Jesus. Talvez tenha sido aquela água a dose necessária para lavar o peso da consciência e do arrependimento que, mais tarde, o consumiria por ter negado o Mestre três vezes ou, quem sabe, tenha sido aquela água a força maior para Pedro confessar ao próprio Senhor sua profissão de fé: “Senhor, tu sabes tudo, tu sabes que eu te amo” (Jo 21,17)

Mais do que permanecer com os pés retraídos, cobertos e secos ao tentar evitar o lava-pés, Pedro corria o risco de não fazer parte do Senhor, não conhecer seu amor e não amar como o Mestre amou.

Muitos gestos, frutos de nosso temperamento intempestivo, podem levar-nos ao fechamento de coração e a impedir-nos de conhecer o amor, e a fazer experiência de Deus. Por isso, permita-se:

Deixe-se abraçar

Permita-se receber um abraço amigo, afetuoso, apertado, inesperado. Sentirá a ternura com que Jesus abraçava as crianças. Você vai se tornar uma pessoa mais terna, afetuosa e segura.

Deixe-se beijar

Permita receber o beijo do carinho, da fidelidade, da paz. Vivenciará o mesmo sentimento de pertença que Jesus sentia quando era acolhido com um beijo ao entrar numa casa. Você vai se tornar uma pessoa mais acolhedora, comprometida e zelosa.

Deixe-se conhecer

Permita que as pessoas o conheçam e que elas o descubram. Experimentará o sentimento de comunhão e unidade como Jesus sentiu ao dizer: “Vinde e vede onde moro” (cf. Jo 1,38). Vai se tornar uma pessoa mais amiga, comunitária e gentil.

Deixe-se amar

Permita que o amem e conhecerá o amor. Sentirá os nobres sentimentos de Jesus. Vai ser uma pessoa mais equilibrada, alegre e santa.

Retomando à cena do Lava-pés: num primeiro momento, Pedro não queria ter os pés lavados pelo Mestre, mas, quando percebeu que a partir daquele gesto de auto-exclusão corria o risco de não fazer parte de Jesus, optou por imediatamente ser lavado.

Mesmo que tenhamos inúmeros motivos para desacreditarmos e desistirmos da vida, não percamos a oportunidade de nos abrirmos para o amor. Talvez seja ele a água mais pura e cristalina derramada sobre os nossos pés e corações, o melhor antídoto para vencermos a prática esterilizante do amor do outro.

Texto de: 29 de setembro de 2010

Vilmar Dal-bó maccari

Prof. Vilmar Dal Bó

Filho da dona Ilca, marido da Fernanda, pai do Ângelo e devoto de Santo Antônio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s